Conheça a História do herói Paulo Vírgílio, mártir da Revolução Constitucionalista de 32

Em: Informativo

7 jun 2012

O Oscar Strauss Filho nosso sócio, colaborador e entusiasta pela história da Revolução dos Paulistas, que esse ano completa seu 80° aniversário,  oferece-nos mais esse post:

                PAULO VIRGÍLIO, HERÓI DA REVOLUÇÃO E MÁRTIR PAULISTA 

      O lavrador Paulo Virgílio nasceu em 1899 em Cunha, SP, e teve cinco filhos. Durante o conflito em 1932, no bairro do Taboão na mesma cidade, numa manhã cruzou com soldados da Força Paulista em deslocamento, e logo adiante encontrou com uma Patrulha Federal, composta por um sargento comissionado em tenente e cinco praças, pertencentes a um batalhão da marinha vindo do Rio de Janeiro, composto por 400 marinheiros, e que subira a serra com o objetivo de chegar a cidade de São Paulo pelo Vale do Paraíba.

 O tenente conclui que pela direção seguida, Paulo Virgílio saberia do rumo e da distância em que estariam os revolucionários constitucionalistas. Paulo Virgílio nega-se a informar, e então é agredido, torturado, queimado com água quente no peito e nas costas, e, numa atitude covarde e biltre, é obrigado a cavar a sua sepultura. Ao lado da cova mais uma vez é perguntado e não fala o destino da Tropa Paulista quando é brutalmente fuzilado com 18 tiros nas costas.

     Neste mesmo dia a Força Paulista venceu uma batalha contra os fuzileiros navais governistas impedindo o avanço do batalhão rumo à capital do estado. Nesta batalha morreram oito fuzileiros, que foram sepultados no mesmo cemitério da cidade de Cunha em que, posteriormente, foi sepultado Paulo Virgílio.

     A tradição conta que antes de ser fuzilado, um praça encostou o fuzil na cabeça do lavrador e perguntou:  “O que você é ?”, o que Paulo Virgílio respondeu: “ sou Paulista “ , e o praça falou: “ Não! Se você for carioca não morre. “ Paulo Virgílio respondeu:  “EU MORRO,MAS SOU PAULISTA.” Foram repetidas as perguntas, e ele afirmou: “ MORRO, MAS SÃO PAULO VENCE ! “. Então foi fuzilado e seu corpo atirado a cova cavada por ele mesmo.

      Seus restos mortais foram transladados de Cunha para ser sepultado no Mausoléu do Obelisco de São Paulo, no Ibirapuera, ao lado do túmulo do “HERÓI JACENTE” que abriga os despojos dos Heróis da Revolução, Martins, o joseense Miragaia, Dráusio e Camargo ( MMDC ).     

     Em sua homenagem seu nome foi dado ao primeiro trecho de quarenta e cinco km da rodovia SP-171, Rodovia Paulo Virgílio , que liga Guaratinguetá a Cunha. – Foi também construído um monumento à sua memória na entrada de Cunha pela divisa com Paraty, onde está escrito:

                      “ELE CAIU PARA QUE PUDESSEMOS PERMANECER DE PÉ”.

4 comentários em Conheça a História do herói Paulo Vírgílio, mártir da Revolução Constitucionalista de 32

Avatar

Oscar

junho 8th, 2012 as 19:17

Muito bacana a história do Paulo Virgílio, pai. Dá mais orgulho ainda de ser PAULISTA!!!!

Avatar

Leandro Hortelino

abril 21st, 2013 as 14:21

Orgulho de ser paulista!
Obrigado ao herói Paulo Virgílio que mostrou a coragem e o orgulho do povo paulista, que lutou para o Brasil ter direito garantido pela constituição!

Avatar

antonio neto

julho 8th, 2014 as 8:37

Caros, Eu já conhecia a história do Paulo Virgílio e fiquei feliz em saber que existem outros que reconhecem o valor deste Cunhense. Valores que tenho o prazer e a honra de passar aos meu filhos, pois esta história não se ensina nas escolas, infelizmente.
Sou de Guaratinguetá e tenho muito orgulho de ser Valeparaibano, e acima de tudo Paulista. Minha tia-avó “lutou” nas trincheiras, foi amiga de Pagú, e foi ativista até o final de sua vida. Quando lhe perguntavam se era Brasileira, ela dizia, não! Sou Paulista. Abçs.

Avatar

José O R Credidio

dezembro 24th, 2015 as 9:11

Um exemplo de dignidade, coragem, lealdade com o povo Paulista. Sou Guaratinguetaense, Paulista e Brasileiro, com muito orgulho, cidade vizinha da cidade de Cunha, esta cidade serrana linda com umpovo maravilhoso, terra de Paulo Virgilio. Parabens Cunha pelo filho ilustre que tanto nos orgulha.

Comente este post: